LIVRO-PARTE I




Tô liberada do castigo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! pelo menos por amanhã e depois. Fiquei semana passada, e aí o que aconteceu? A surubinha aqui ficou sem internet, minha mãe descobriu meu ponto fraco e agora usa-o contra mim, hehe. Agora eu tô postando pra pedir um favor, começei a escrever um livro desde o meio do ano, já tem uma página! mas enfim queria a opnião da galera do blog sobre ele. Pode xingar, elogiar, dar sugestões, qualquer coisa e se gostarem eu posto a medida que eu escrevo, daí fica tipo uma novelinha...AH o titulo do livro é:o bálsamo de ferrabrás.


~#~
Havia uma menina que morava com o avô e a avó, chamava-se Mariela mas como sempre ou quase sempre foi pequena, seu avô lhe chamava de Pixote. Digo quase sempre porque hoje é uma moçoila de treze anos, não tão pequena assim. Era morena clara, os olhos castanhos fundos e o olhar distantes daquele tipo de pessoa que enxerga além, parecia a mãe. Cresceu com os avós no casarão do bairro, sempre tiveram uma condição financeira muito boa, pagaram professores particulares para a menina toda sua vida, tinham medo de perdê-la mais que tudo, como aconteceu com a mãe dela e o tio que desapareceram e nunca mais foram vistos novamente, pelo menos não por olhos humanos.
A menina nunca teve muitos amigos da sua idade, fez seus melhores amigos dentro de uma biblioteca, dentre eles: Dom Quixote, Os três mosqueteiros e a Jolie que viu a menina crescer, pena que ninguém mais além da Pixote a via. Sua avó ficou preocupada quando viu a neta falando só, começou quando ela tinha 6 anos e perdurava até hoje. Com o tempo começou a achar que era solidão da parte da menina, mesmo assim, nunca fez nada para mudar isso. Sua avó, Dona Eli, sempre foi ativa, sem tempo para nada, somente para a empresa de malhas que foi de sua mãe e um dia seria de sua neta. O avô nunca se interessou muito pelos negócios, sempre foi um homem de arte, livros , sonhos. Quando seus filhos desapareceram achou que nunca mais voltaria a sonhar, mas não, encontrou uma luz chamada Mariela, sua neta, sua princesa, sua pequena Pixote, e então, voltou a sonhar. Eram unha e carne, seu único amigo, seu único pai, sua vida, era seu avô. Ele lhe ensinou tudo que sabia, ensinou a nunca deixar de ser criança era o que ela mais tinha medo, agora mais que nunca já que era uma moçoila de treze anos, bonita e que tinha de começar assumir responsabilidades que ela não queria. Também havia o gato, chamava-se Lênin que seu avô gostava muito. O gato era estranho, todo branco, desaparecia às vezes mas sempre voltava. O Lênin dava arrepios a não tão pequena Pixote que às vezes preferia que ele não voltasse um dia, que bom sexto sentido ela tinha.

6 Response to "LIVRO-PARTE I"

  1. Tyr Quentalë Says:

    Não sei qual dos três comentou no Tyr Quentalë, mas venho agradecer pela visita, aproveitando para ler o conto.
    Gostaria de trocar mails, para conversarmos mais profundamente sobre o trabalho.
    Sintam-se à vontade:
    tyrquentale@yahoo.com.br

  2. E.Suruba Says:

    não fui eu não, mas vou ver agora...
    olha atreyu, brigada por ter colocado a música quando eu vi...foi lindo. BRIGADÃO
    TUDO BEM QUE FOI AOS POUQUINHOS PQ A NET É DISCADA MAS DEU PRA VER QUE ERA A MÚSICA...LINDO,LINDO BRIGADÃO MESMO
    TE AMO AMIGO
    BJO

  3. MHG Says:

    Cuidado!
    Antes de postar resistre para que ninguém roube de vc

  4. Gii Says:

    Tô começando a ler agora, parece ser mto bom!

  5. Dia C. Lima Says:

    Adorei a descrição é interessante a forma como você escreve.
    Começou bem! O texto nos prender e deixa na vontade de ler mais e mais...
    Irei ler os próximos.
    Parabéns, a primeira parte foi um sucesso!

  6. Anônimo Says:

    Que livro ótimo!
    Adoro livros assim. vocÊ divia procurar uma editora e publicar por qu etá muito bom
    se este livro for lançado vou ser a primeira a comprar